3a1: seis anos de pop rock tropical

3a1 foi uma banda carioca de pop rock tropical, atuante na cena independente do Rio entre 2004-2010. formada inicialmente por Dimitri BR (voz, violão, composições), Achilles Chirol (guitarra, composições), Dimitri Camiloto (bateria) e Haroldo Mourão (baixo) – que antes mesmo do primeiro show decidiu focar em sua carreira de roteirista, dando lugar à baixista titular, Silvia Rebello (irmã de Dimitri BR e parceira dele e de Chirol em bandas anteriores). tendo como principais referências o samba-groove de Jorge Ben e dos pernambucanos do Mundo Livre S/A, a banda tinha como características o som suingado, a performance energética e divertida, e as composições de Dimitri BR e Chirol, feitas por cada um ou em parceria com o letrista Fred Coelho (com quem Chirol e BR tocavam na URSS – União Responsa do Samba Solto), registradas no álbum Pop Rock Tropical (Bolacha Discos, 2007).

a primeira apresentação do 3a1 foi em novembro de 2004, no evento Amostra Grátis, promovido pelo Projeto Geringonça, residente no Sesc Tijuca. o show teve boa repercussão e fundou uma relação estreita entre 3a1 e Geringonça, que culminou com a reunião da banda com Jorge Mautner para dois shows no Sesc Tijuca – já com os acréscimos de Fernando Costa (vocais de apoio e tamborim) e da produtora Ana Sol. Jorge Mautner depois viria a gravar com a 3a1 a música “No Carnaval”, composição de Dimitri BR, no EP da banda, intitulado Pop Rock Tropical, que também contou com o baterista David Forell nas faixas “Pilha errada” [Dimitri BR+Chirol] e “Retrato” [Chirol+Fred Coelho] e projeto gráfico do designer Aron Balmas. produzido por Carol Monte e lançado pelo selo carioca Bolacha Discos, o EP teve show de lançamento na Casa Rosa, com participações do próprio Mautner e do guitarrista Nelson Jacobina. a essa altura, a banda já contava com Alexandre Hofty, parceiro de longa data de Chirol, Silvia e BR, na bateria, substituindo Camiloto. pouco depois, com a saída de Fernando, a 3a1 se fixaria na formação clássica que já tocara junta em outros projetos: Dimitri BR, Chirol, Silvia e Hofty.

impulsionada por críticas positivas – como a do jornalista Arthur Dapieve, que indicou a banda como uma “promessa” e elogiou sua música “O Hit do Verão (El Comandante)” [Dimitri BR] – e, principalmente, pela boa recepção de suas apresentações ao vivo, que já atraíam um público fiel, a 3a1 participou de programas de rádio e televisão – como o Atitude ponto com, transmitido ao vivo para todo o Brasil –, e festivais – como o Festival Som (UFF/PUC-RJ), no qual recebeu os prêmios de melhor banda, vocais e instrumentista (a baixista substituta Eliza Schinner). nesse embalo, a banda seguiu compondo e fazendo shows, em espaços como Cinemathèque, Teatro Odisséia, Estrela da Lapa e Sérgio Porto, em shows exclusivos ou ao lado de outras bandas do circuito carioca, como Binário, Os Letícios e Luisa mandou um beijo, incluindo três apresentações no mítico Circo Voador – uma delas abrindo para sua banda-referência, Mundo Livre S/A –, até fazer sua última apresentação no Baile Festim, em janeiro de 2010.

após o encerramento das atividades da banda, Dimitri, Hofty e Ana Sol seguiram produzindo canções e videocanções originais no projeto audiovisual diahum – que muitas vezes reuniu, em sua versão ao vivo, a formação clássica da 3a1: Dimitri, Hofty, Silvia e Chirol.